Ensaio de um projeto de diferenciação pedagógica numa escola inclusiva

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sérgio Hélder Fernandes Pinho
Isaura Carvalho
Ana Ferrão

Resumo

O insucesso escolar constitui um handicap suscetível de influenciar todo o desenvolvimento do indivíduo e um potencial fator de exclusão social. Torna-se, portanto, relevante implementar e avaliar projetos, gizados a nível de escola, que se alicercem em princípios de diferenciação pedagógica e avaliativa e que visem promover o sucesso escolar e a inclusão. Nesse sentido, concebeu-se uma investigação para proceder à análise do processo de implementação, em 2019/2020, do Projeto de (re)Orientação Educativa (POE) na EBS Amélia Rey Colaço (Linda-a-Velha, Oeiras). Optou-se por uma metodologia de natureza predominantemente qualitativa e do tipo estudo de caso único. Os resultados evidenciaram que a implementação do POE envolveu a exploração de metodologias diversificadas e a adoção de processos de avaliação diferenciada, com presumíveis implicações positivas na redução do insucesso escolar. Finalmente, partindo da análise efetuada, formulou-se um conjunto de recomendações para a conceção de futuros projetos destinados à promoção do sucesso escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Pinho, S. H. F., Carvalho, I., & Ferrão, A. (2021). Ensaio de um projeto de diferenciação pedagógica numa escola inclusiva. EduSer, 13(2). https://doi.org/10.34620/eduser.v13i2.150
Secção
Artigos

Referências

Amado, J. (2014). Manual de investigação qualitativa em educação. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Busarello, R., Bieging, P. & Ulbricht, V. (2015). Inovação em práticas e tecnologias para aprendizagem. São Paulo: Pimenta Cultural.

Cartney, P. (2010). Exploring the use of peer assessment as a vehicle for closing the gap between feedback given and feedback used. Assessment & Evaluation in Higher Education, 35 (5), 551-564.

Chagas (2001). Trabalho Colaborativo. Condição Necessária para a Sustentabilidade das Redes de Aprendizagem. Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Cid, M., Verdasca, J., Oliveira, M., Borralho, A., Grácio, L., Chaleta, E., Fialho, I. & Monginho, R. (2014). Os cursos científico-humanísticos e o alargamento da escolaridade obrigatória. Medidas educativas de inclusão. Lisboa: MEC -DGE.

Cunha, A. (2008). Ser Professor: Bases de uma Sistematização Teórica. Braga: Casa do Professor.

Direção-Geral da Educação (2019). Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar (PNPSE). https://www.dge.mec.pt/programa-nacional-de-promocao-do-sucesso-escolar (Acedido em 25/10/2019).

Gielen, S., Peeters, E., Dochy, F., Onghena, P. & Struyven, K. (2010). Improving the effectiveness of peer feedback for learning. Learning and Instruction, 20, 304-315.

Hadji, C. (2001). Avaliação Desmistificada. Porto Alegre: Artmed.

Henriques, M. (2010). Supervisão inter-pares: um percurso colaborativo de formação. Lisboa: Escola Superior de Educação de Lisboa.

Huffaker, D. (2010). Dimensions of Leadership and Social Influence in Online Communities. Human Communication Research, 36, 593-617.

Justino, D. (2010). Difícil é educá-los. Lisboa: Edições Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Marques, C. (2017). O insucesso escolar, as dificuldades económicas dos alunos e o papel da escola. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação. Instituto Superior de Educação e Ciências.

Martins, H. (2017). Insucesso Escolar. Dissertação de Mestrado em Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico. Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti.

Miguel, R., Rijo, D. & Lima, L. (2012). Fatores de Risco para o Insucesso Escolar: A Relevância das Variáveis Psicológicas e Comportamentais do Aluno. Revista Portuguesa de Pedagogia, 46 (1), 127-143.

Miranda-Pinto, M. (2009). Processos de Colaboração e Liderança em Comunidades de Prática Online – O caso da @rcaComum, uma Comunidade Ibero-Americana de Profissionais de Educação de Infância. Braga: Universidade do Minho

Monteiro, A. (2008). Qualidade, profissionalidade e deontologia na educação. Porto: Porto Editora.

Pereira, A. & Miranda, B. (2010). Problemas e projectos educacionais. Lisboa: Universidade Aberta.

Pissochet, F. (2012). Il faut que ça mouve! Comment les inter-actions agissent pour cheminer en complexité? Une pratique d`ingenierie complexe. Interlettre Chemin Faisant, 63, 1-10.

Ribeiro, F. (2012). Supervisão entre pares: Contributos para a Melhoria das Práticas de Ensino. Porto: Universidade Portucalense.

Verdasca, J., Neves, A., Fonseca, H., Fateixa, J., Procópio, M. & Magro, T. (2019). Relatório PNPSE 2016-2018: Escolas e Comunidades tecendo Políticas Educativas com base em Evidências. Lisboa: PNPSE/ DGE.

Wang, V. (2015). Handbook of Research on Scholarly Publishing and Research Methods. USA (Florida Atlantic University): IGI Global - Disseminator of Knowledge.

Yin, R. (2011). Applications of Case Study Research. Beverly Hills, CA: Sage Publications.