Autonomia da escola génese e evolução de uma “política nacional”

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Joaquim Machado

Resumo

A autonomia da escola é pressuposta pelo papel regulador do Estado na área da Educação. No caso português, ela é altamente condicionada pela sua condição de unidade organizativa da administração pública central. Este estudo identifica dimensões da regulação e passos e entidades que, num Estado democrático, se envolvem nesse processo e procede à análise do corpus legislativo português sobre a organização e gestão do sistema educativo e das escolas com vista a uma visão compreensiva e interpretativa sobre as mudanças políticas relativas à autonomia da escola básica e secundária em Portugal. Identifica os fundamentos democráticos da autonomia da escola pública, distingue as principais áreas em que esta “política nacional” foi ganhando corpo e assinala um modelo de intervenção que assume uma orientação ora mais de autonomia ora mais de heteronomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Machado, J. (2021). Autonomia da escola: génese e evolução de uma “política nacional”. EduSer, 13(2). https://doi.org/10.34620/eduser.v13i2.165
Secção
Artigos

Referências

AAVV (1997). Relatório do Projecto "Reflexão Participada Sobre os Currículos do Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento de Educação Básica.

Barroso, J. (2001). Relatório Global da Primeira Fase do Programa de Avaliação Externa: relatório produzido no âmbito do Programa de Avaliação Externa do processo de aplicação do Regime de Autonomia, Administração e Gestão das Escolas e Agrupamentos de Escolas definido pelo Decreto-Lei n.º 115-A/98, de 4 de maio. Lisboa: Centro de Estudos da Escola, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade de Lisboa.

Barroso, J. (2004). A autonomia das escolas: uma ficção necessária. Revista Portuguesa de Educação, 2004, 17(2), 49-83

Barroso, J. (2005). Políticas Educativas e Organização Escolar. Lisboa: Universidade Aberta.

Conselho de Acompanhamento e Avaliação (1996). Avaliação do Novo Regime de Administração Escolar (Decreto-Lei n.º 172/91). Lisboa: Ministério da Educação.

Conselho Nacional da Educação (Org.) (2004), Regulação e Avaliação em Educação. In As Bases da Educação [actas]. Seminário Lei de Bases da Educação. Lisboa: Conselho Nacional de Educação – Ministério da Educação, 319-359.

Eurydice (2007). Autonomia das Escolas: Políticas e medidas. Lisboa: Eurydice, Unidade Portuguesa.

Fernandes, A. S. (1987). Delimitação das competências da Administração Central, Regional e Local em matéria de Educação. In Comissão de Reforma do Sistema Educativo (1988c). Proposta Global de Reforma. Lisboa: Ministério da Educação, Gabinete de Estudos e Planeamento, 503-544.

Fernandes, A. S. (1988). A distribuição de competências entre a Administração Central, Regional, Local e Institucional da Educação escolar segundo a Lei de Bases do Sistema Educativo. In Comissão de Reforma do Sistema Educativo, A Gestão do Sistema Escolar. Lisboa: Ministério da Educação, Gabinete de Estudos e Planeamento, 103-148.

Fernandes, A. S. (2000). Contratos de autonomia e autonomia contratual da escola pública. In M. A. Veiga e J. Magalhães, Prof. Dr. José Ribeiro Dias: Homenagem. Braga: Universidade do Minho, Instituto de Educação e Psicologia, 887-900.

Formosinho, J. (2004). A governação das escolas em Portugal – da “gestão democrática” à governação participada. In Ana Paula Vilela (Coord.), Administração e Gestão das Escolas: diferentes olhares sobre a mesma problemática. Braga: Centro de Formação de Associação de Escolas Braga/Sul, 31-45.

Formosinho, J. (2005). Centralização e descentralização na administração da escola de interesse público. In João Formosinho, A. Sousa Fernandes, Joaquim Machado & Fernado Ilídio Ferreira, Administração da Educação: Lógicas burocráticas e lógicas de mediação. Porto: Edições ASA,13-52.

Formosinho, J. (2010). A autonomia das escolas em Portugal (1987-2007). In João Formosinho, António S. Fernandes, Joaquim Machado & Henrique Ferreira, Autonomia da Escola Pública em Portugal. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão, 43-55.

Formosinho, J.; Fernandes, A. S. &, Lima, L. C. (1988). Organização e administração das escolas dos ensinos básico e secundário. In Comissão de Reforma do Sistema Educativo, Documentos Preparatórios II. Lisboa: Ministério da Educação, Gabinete de Estudos e Planeamento, 141-263.

Formosinho, J., Fernandes, A. S., Machado, J., & Ferreira, H. (2010). Autonomia da Escola Pública em Portugal. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão.

Formosinho, J. & Machado, J. (2000). A administração das escolas no Portugal democrático. In João Formosinho, Fernando I. Ferreira & Joaquim Machado, Políticas Educativas e Autonomia das Escolas. Porto: Edições ASA, 31-63.

Formosinho, J. & Machado, J. (2016). Equipas educativas e comunidades de aprendizagem. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, vol. 16, 2016, 11-31.

Grácio, R. (1975). A via única no ensino secundário (conclusão): Alteração formal ou substancial? O Jornal, 19-9-1975, 10-11.

Inspeção-Geral de Educação (2011). Avaliação Externa das Escolas: avaliar para a melhoria e a confiança - 2006-2011. Lisboa: Ministério da Educação, Inspeção-Geral de Educação.

Inspeção-Geral de Educação e Ciência (2018). Avaliação Externa das Escolas 2014-2015 a 2016-2017 – Relatório. Lisboa: Ministério da Educação, Inspeção-Geral de Educação e Ciência.

Leite, C. & Pinto, C. L. (2016). O trabalho colaborativo entre os professores no quotidiano escolar: condições para a sua existência e sustentabilidade. Educação, Sociedade e Culturas, nº 48, 2016, 69-91.

Lima, L. C. (2011). Administração Escolar: Estudos. Porto: Porto Editora.

Lima, L. C. (2014). A gestão democrática das escolas: do autogoverno à ascensão de uma pós-democracia gestionária? Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº 129, out.-dez., 2014, 1067-1083.

Lima, L. C. (2020). Autonomia e flexibilidade curricular; quando as escolas são desafiadas pelo governo. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, n-º especial 2020, 172-192.

Machado, J. (2015). A gestão local da educação escolar. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, vol. 15, 2015, 11-34.

Maroy, C. (2006). Convergências e divergências dos modos de regulação numa perspectiva europeia. In João Barroso (org.), A Regulação das Políticas Públicas de Educação: Espaços, dinâmicas e actores. Lisboa: Educa / Unidade de I&D de Ciências da Educação, 227-244.

Nóvoa, A. (2019). Entre a formação e a profissão: ensaio sobre o modo como nos tornamos professores. Currículo sem Fronteiras, v. 19, n. 1, jan./abr. 2019, 198-208.

Oliveira, D. A., Carvalho, L. M., & Normand, R. (2020). Reestruturação da profissão docente: políticas itinerantes e traduções nacionais. Currículo sem Fronteiras, v. 20, n. 1, jan./abr. 2020, 5-8.

Oliveira, P. G., Clímaco, M. C., Carravilla, M. A., Sarrico, C., Azevedo, J. M., & Oliveira, J. F. (2006). Relatório Final da Actividade do Grupo de Trabalho para Avaliação das Escolas. Lisboa: Ministério da Educação.

Rosa, S. (2019). Políticas regulatórias, subjetividade e os entraves à democracia na escola pública brasileira: contribuições à pesquisa curricular. Currículo sem Fronteiras, v. 19, n. 3, set./dez., 844-867.

Torres, L. L. (2013). Liderança singular na escola plural: as culturas da escola perante o processo de avaliação externa. Revista Lusófona de Educação, 23, 2013, 51-76.

Weber, M. (1993). Economía y Sociedade: esbozo de una sociologia comprensiva. Madrid: Fondo de Cultura Económica.