Gestão e liderança da escola o envolvimento do diretor na formação

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Fernanda Fonseca
Joaquim Machado de Araújo

Resumo

As políticas de formação contínua de professores visam acompanhar os tempos de mudança. nomeadamente as que derivam da disseminação das diferentes tecnologias de informação e da própria sofisticação dos processos tecnológicos que levam à alteração dos processos de organização e gestão do trabalho na escola. Vários estudos apontam para a necessidade de pensar a mudança organizacional em articulação com a formação e outros realçam a importância da ação de uma liderança focada nas aprendizagens curriculares. Este estudo, de natureza qualitativa, visa compreender como o diretor se envolve na organização e gestão do processo de formação contínua e aponta para a sobrevalorização do processo de diagnóstico e auscultação inicial dos vários departamentos curriculares e para a variação do envolvimento do diretor, em cada fase do plano de formação, entre a não interferência, a orientação e coordenação formal e a participação ativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Fonseca, F., & de Araújo, J. M. (2022). Gestão e liderança da escola : o envolvimento do diretor na formação. EduSer, 14(1). https://doi.org/10.34620/eduser.v14i1.173
Secção
Artigos

Referências

Alves, J. M., Cabral, I. & Bolivar, A. (2020). Lideranças, gestão escolar e melhoria das escolas: recomendações para o desenvolvimento das políticas educativas. In José M. Alves & Ilídia Cabral (coord.), Gestão escolar e melhoria nas escolas o que nos diz a investigação. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão, 143-180.

Barroso, J. (1997). Formação, projeto e desenvolvimento organizacional. In Rui Canário (org.), Formação e situações de trabalho. Porto: Porto Editora, 61-76.

Bolívar, A. (2003). Como melhorar as Escolas: Estratégias e dinâmicas de melhoria das práticas educativas. Porto: ASA Editores.

Bolívar, A. (2009). Liderar as escolas no séc. XXI: uma liderança para a aprendizagem. Conferência Uma Liderança para a Aprendizagem. Funchal: Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira.

Bolívar, A. (2012). Melhorar os processos e os resultados educativos: o que nos ensina a investigação. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão.

Bolivar, A. (2020). Gestão e Liderança Escolar: O que nos diz a investigação à escala global? In Ilídia Cabral & José M. Alves (coord.), Gestão Escolar e Melhoria das Escolas: O que nos diz a investigação. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão, 17-32.

Cabral, I. & Alves, J. M. (coord.) (2020). Gestão escola e melhoria das escolas: o que nos diz a investigação. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão.

Conselho Nacional de Educação (2013). Recomendação nº 4, Diário da República, 2.a série - N.o 95 - 17 de maio.

Dewey, J. (1979). Experiência e Educação, 3ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Elmore, R. F. (2010). Mejorando la escuela desde la sala de clases. Santiago de Chile: Fundación Chile.

Ferreira, F. I. (2008). Reformas educativas, formação e subjectividades dos professores. Revista Brasileira de Educação, 13(38), 239–251.

Formosinho, J. (coord.) (2009). Formação de professores: aprendizagem profissional e ação docente. Porto: Porto Editora.

Hallinger, P. (2008) Methodologies for studying school leadership: a review of 25 years of research using the principal instructional management rating scale. Paper for presentation at the annual meeting of the American Educational Research Association, New York.

Lima, J. Á. (2008). Em busca da boa escola. Instituições eficazes e sucesso educativo. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão.

Lima, J. Á. (2015). A ação educativa em rede: obstáculos e recomendações. Educação, Sociedade & Culturas, 44, 9-29.

Lourenço-Gil, R., Machado, J., Cabral, I. & Alves, J. M. (2020). Escola, liderança e aprendizagem – Quadro de referência para o estudo das lideranças nas organizações escolares. In Ilídia Cabral & José M. Alves (coord.), Gestão Escolar e Melhoria das Escolas: O que nos diz a investigação. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão, 33- 98.

Nóvoa, A. (1992). Formação de professores e profissão docente. In António Nóvoa (coord.), Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 13-33.

Nóvoa, A. (1999). Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, v. 25(1), 11-20.

Pina, R. (2015). Da liderança do diretor aos resultados escolares: um caminho a percorrer. Tese de doutoramento, Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa, Porto.

Rodrigues, A. (1999). Metodologias de análise de necessidades de formação na formação profissional continua de professores.

Contributos para o seu estudo. Tese Doutoramento, Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade de Lisboa, Lisboa.

Rodrigues, A. (2019). Análise de necessidades de formação e formação contínua de professores. In Marta Alves (org.), O tempo e o espaço da formação contínua de professores: Diagnóstico, processo e perspetivas. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 77-94.

Rodrigues, C. (2007). Escola reflexiva e desenvolvimento profissional de professores. A concepção do Projeto Educativo como estratégia de desenvolvimento profissional. Tese de doutoramento, Universidade de Aveiro, Aveiro.

Schön, D. (1983). The Reflective Practitioner. How Professionals Think in Action. USA: Basic Books.

Schön, D. A. (1992a). La formación de profesionales reflexivos. Hacia un nuevo diseño de enseñanza y el aprendizaje en las profesiones. Barcelona: Ediciones Paidós.

Schön, D. A. (1992b). Formar professores como profissionais reflexivos. In. A. Nóvoa (coord.), Os professores e a suas formação. Lisboa: Dom Quixote, 77-91.

Silva, S. M., & Lima, J. Á. (2011). Liderança da escola e aprendizagem dos alunos: um estudo de caso numa escola secundária, Revista Portuguesa de Pedagogia, ano 45-1, 111-142.

Verdasca, J. (2016). Formação contínua de professores: novos enquadramentos e contextualizações. Proforma, nº 17, pp. 1-7.

Woods, Ph. A. (2015). Distributed leadership for equity and learning. Revista Lusófona de Educação, 30, 175-187.