Adaptação dos estudantes de educação social no 1.º confinamento pela Covid-19

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria Luísa Ribeiro Cramês
https://orcid.org/0000-0002-1465-7615

Resumo

A Covid-19 trouxe alteração de processos adaptativos da sociedade em geral, e à vida académica em particular. Este estudo teve como objetivo perceber como os estudantes do curso superior de Licenciatura em Educação Social de uma instituição do ensino superior do Norte de Portugal, se adaptaram emocionalmente durante o primeiro confinamento pela Covid-19. Trata-se de um estudo descritivo, correlacional e transversal. Para a recolha de dados foi aplicado um questionário online. A amostra incluiu 123 estudantes, sendo 109 do sexo feminino e 14 do sexo masculino, com a faixa etária predominante dos 19-29 anos. Verificou-se que 80,5% referiu sentir-se preocupada/o, 70,7% cansada/o e 52,8% nervosa/o. Encontraram-se diferenças estatisticamente significativas na componente sociocognitiva das emoções consoante o sexo (p<0,05). Os dados sugerem dificuldades na adaptação desta população requerendo a exploração de outras variáveis em estudos futuros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Cramês, M. L. R. (2022). Adaptação dos estudantes de educação social no 1.º confinamento pela Covid-19. EduSer, 14(1). https://doi.org/10.34620/eduser.v14i1.188
Secção
Artigos

Referências

Ambiel, R. A. M., Santos, A. A., Soares, A. B., & De Lima, T. H. (2020, May). Adaptação e permanência no Ensino Superior em tempos de pandemia. Doi: 10.13140/RG.2.2.32401.86886

Associação Médica Mundial (2013, outubro). Declaração de Helsínquia da Associação Médica Mundial. Princípios éticos para a investigação médica em seres humanos. https://static.sanchoeassociados.com/DireitoMedicina/Omlegissum/legislacao2014/Fevereiro/Helsinq_2013.pdf

Cardeira, A. R. (2012). Educação Emocional em Contexto Escolar. Psicologia.PT – O Portal dos Psicólogos.

Ferreira, S. A. A. (2014). Competência emocional no ensino superior - Psicologia positiva [Dissertação de Mestrado]. Instituto Superior Miguel Torga.

Fragoso, V. (2012). Emoção, Sentimento e Afeto na Senioridade. Em V. Fragoso & M. Chaves (Orgs.), Educação Emocional para Seniores (1ª ed., pp. 55-107). Psicosoma.

Meshkat, M., & Nejati, R. (2017, July-September). Does emotional intelligence depend on gender? A study on undergraduate english majors of three iranian universities. SAGE Open, 7(3), 1-8. https://doi.org/10.1177/2158244017725796

Nunes-Valente, M., & Monteiro, A. P. (2016). Inteligência emocional em contexto escolar. Revista Eletrónica de Educação e Psicologia, 7, 1-11.

Valente, S., & Almeida, L. S. (2020). Educação emocional no Ensino Superior: Alguns elementos de reflexão sobre a sua pertinência na capacitação de futuros professores. Revista E-Psi, 9(1), 152-164. https://artigos.revistaepsi.com/2020/Ano9-Volume1-Artigo10.pdf

Valente, S. (2020). Competências socioemocionais na atividade do educador social: implicações à inclusão escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 15(esp3), 2332–2349. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=8083096

Vicente, L. C. M., Esgalhado, M. G. P., & Santos, N.M.G. (2014). Validação da escala de inteligência emocional de Schutte - Impacto da intervenção por mensagens SMS na inteligência emocional e inteligência espiritual em estudantes de psicologia [Dissertação de Mestrado]. Universidade da Beira Interior.