Educação não formal perceções e potencialidades formativas

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria do Céu Ribeiro
Marília Castro

Resumo

O presente artigo centra-se na educação não formal e nas perceções e potencialidades identificadas pelos estudantes e orientadores institucionais nos contextos de educação não formal. Considerando as suas especificidades,quisemos saber que perceções têm os estudantes e os orientadores institucionais sobre as potencialidades formativas dos contextos não formais e qual o contributo das mesmas para a formação inicial do futuro educador/professor.Para orientar a resposta a esta questão delineamos os seguintes objetivos: i) conhecer e analisar as perceções dos estudantes e orientadores institucionais sobre as potencialidades formativas reconhecidas nos espaços educativos não formais e ii) perceber qual o seu contributo para a formação inicial. Como instrumentos de recolha de dados recorremos ao inquérito por questionário, misto, para os estudantes e ao inquérito por questionário, questões abertas para os orientadores institucionais. Como técnica de análise de dados,recorremos à análise estatística e à análise de conteúdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Ribeiro, M. do C., & Castro, M. (2021). Educação não formal: perceções e potencialidades formativas. EduSer, 13(2). https://doi.org/10.34620/eduser.v13i2.166
Secção
Artigos

Referências

Amado, J. & Freire, I. (2009). A(s) indisciplina(s) na escola: compreender para prevenir. Coimbra: Almedina.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brandão, C. R. (2007). O que é educação. São Paulo: Brasiliense.

Cravo, M. & Nico, B. (2008). A biblioteca escolar/centro de recursos educativos e o currículo – que (inter)ligação? O caso de Vendas Novas. In Bravo Nico & Maria Cravo (org.), Aprender no Alentejo – IV Encontro Regional de Educação. Évora: Universidade de Évora, 175-183.

Desterro, P. (2020). Entre limiares e fronteiras: o fazer pedagógico em museus. RevistAleph, 35, 58-76.

Gohn, M. (2006). Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 14(50), 27-38.

Gohn, M. (2014). Educação não formal, aprendizagens e saberes em processos participativos. Investigar em Educação, II (1), 35-50.

Jacobucci, D. (2008). Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Revista Em Extensão, 7(1), 55-66.

Jacobucci, D. (2010). Professores em espaços não-formais de educação acesso ao conhecimento científico e formação continuada. In Ângela Dalben, Júlio Diniz, Leiva Leal & Lucíola Santos (org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 426-446.

Jacobucci, D. (2012). 7273 km de distância: práticas educativas em museus de ciências no Brasil e em Portugal. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, 5 (8), 32-45.

Jacobucci, D., Ferreira, F. & Santana, F. (2013). Representações de educação não-formal e utilização do espaço museal por professoras do Ensino Fundamental. Ensino Em Re-Vista, 20 (1), 125-132.

Lage, M. & Bandeira, C. (2017). Serviços educativos em bibliotecas públicas. Revista Lusófona de Educação, 37, 63-78.

López, J. (2017). Procesos de educación no formal y museísmo pedagógico: construyendo el âmbito de educación “museo”. In Alexandre Shigunov Neto, Ivan Fortunato & José López (org.), Educação não formal e museus: aspectos históricos, tendências e perspectivas. São Paulo: Edições Hipótese, 64-112.

Machado, A., Alves, P. & Gonçalves, R. (2011). Observar e avaliar as práticas docentes. Santo Tirso: De Facto Editores.

Marandino, M. (org.) (2008). Educação em museus: a mediação em foco. São Paulo: Geenf/FEUSP.

Mellini, C. & Gomes, A. (2020). Os estágios nas licenciaturas da UFTM e sua relação com os museus de Uberaba/MG. In Pedro Junior & Daniel Ovigli (org.), Os museus e a educação não formal: textos e contextos. Uberlândia: Navegando, 17-37.

Pastor Homs, M. (2001). Orígenes y evolución del concepto de educación no formal. Revista española de pedagogia, LIX (220), 525-544.

Paz, W., Júnior, A., Guimarães, C. & Bastiani, A. (2011). O papel da educação não-formal e suas contribuições na formação cultural do cidadão. Revista Conexão, 7 (2), 184-193.

Pires, B. & Martins, C. (2020). Educação Não Formal como ente maximizador das potencialidades da Educação Formal. In Pedro Junior & Daniel Ovigli (org.), Os museus e a educação não formal: textos e contextos. Uberlândia: Navegando, 39-55.

Ribeiro, M., Castro, M. & Pires, P. (2020). O espaço museológico no processo educativo: reflexões sobre as aprendizagens. In Rui Lopes, Cristina Mesquita, Elisabete Silva & Manuel Pires (eds.), V Encontro Internacional de Formação na Docência. Livro de Atas. Bragança: IPB, 620-630.

Rocha, S. C. B. & Fachín-Terán, A. (2010). O uso de espaços não formais como estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA/Escola Normal Superior.

Sanches, A., Freire-Ribeiro, I. & Mesquita, E. (2019). Educação não-formal: contextos e práticas na formação inicial de professores. In Francisco Imbernón, Alexandre Shigunov Neto & Ivan Fortunato (org.), Formação permanente de professores: experiências iberoamericanas. São Paulo: Hipótese, 480-500.

Schön, D. (1992). Formar Professores como Profissionais Reflexivos. In António Nóvoa (coord.), Os Professores e a sua Formação. Lisboa: Publicações D. Quixote, 77-91.

Simson, O., Park, M. & Fernandes, R. (2007). Educação não-formal: um conceito em movimento. Rumos Educação Cultura e Arte, 3, 13-38.

Trilla, J. (2008). A educação não formal. In Jaume Trilla, Elie Ghanem & Valéria Arantes (org.), Educação formal e não-formal: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 15-58.

Trilla, J. (2013). La educación no formal. In Marcelo Morales (org.), Educación no formal: Lugar de conocimientos. Uruguai: Ministerio de Educación y Cultura, 27-50.

Valente, M. (2002). Educação em ciências e os museus de ciências. In Luciana Köptcke & Maria Valente (org.), Caderno do Museu da Vida. O formal e o não-formal na dimensão educativa do museu. Rio de Janeiro: MV/MACA, 2-15.